Rancho 53

Brasil , SP, Araçariguama

Onde estou?

Quinta feira foi aniversário do Zeca. Um amigão meu. Apesar dele morar em São Roque decidi passar por lá para um abraço depois do expediente. Atrasei-me. Mais um telefonema, outro relatório, um pouco de correspondência… Quando dei por mim já eram sete e meia. Desci.

Meu escritório fica na Av. Paulista. Então precisei enfrentar o delicioso transito de São Paulo e finalmente, lá pelas oito e meia estava no comecinho da Castelo Branco. Meia hora depois, lembrei que não tinha nem almoçado. Que tal jantar? Parei na primeira entrada. Chamava-se Rancho 53.

Entrei. Impossível não ser atraído pela musica. Vinha de uma sala ao fundo, à direita. Lá, acompanhada por guitarras portuguesas, uma simpática senhora encantava os presentes com os acordes do belo fado “Nem as paredes confesso”. Quis ficar. O garçom logo veio e me explicou que para as noites de fado que só aconteciam às quitas feiras, era necessário fazer uma reserva, mas, como eu estava sozinho, ele me arrumaria uma mesinha perto da porta. Sentei. No cardápio, uma infinidade de pratos portugueses, quase todos a base de bacalhau. Difícil escolher. Optei pelo bacalhau à Narciso acompanhado de uma taça de vinho. Pouco depois a cantora anunciou uma pausa. As luzes acenderam e notei que a sala estava lotada.

Resolvi explorar o local enquanto meu prato estava sendo preparado.

No salão principal, um enorme balcão expunha uma série de iguarias como lascas e bolinhos de bacalhau, além de uma infinidade de doces. Pasteis de Belém, Toucinhos do Céu, Pasteis de Nata, Pasteis de Santa Clara, Tartinhas de Amêndoas, Travesseiros de Sintra e mais outros tantos dos quais não sei o nome, estavam ali, prontos para dar água na boca a qualquer passante. Do outro lado, em meio a várias mesas também lotadas provavelmente por clientes que, como eu, não tinham reserva, estavam à venda uma variedade de peças de cerâmica portuguesa. Ao fundo, uma mercearia. Para onde olhar? Vinhos portugueses, queijos da Serra da Estrela, azeites de oliva, alheiras, enfim um pedacinho da terrinha.

Voltei para o anexo. Na mesa uma taça de vinho. Dei um gole. Delicia! A guitarra novamente soltou os seus acordes e ao som de “Uma casa portuguesa” experimentei as primeiras garfadas do meu bacalhau. Macio, bem temperado, delicioso. Recostei na cadeira, dei mais um gole no vinho. Suspirei e me permiti a pergunta: Onde estou? Brasil? Portugal? Tanto faz.

A verdade é que eu estava numa “casa portuguesa com certeza, com certeza uma casa portuguesa”!

Tel: (11) 4136-1381
Rodovia Castelo Branco, KM 53
Araçariguama
www.rancho53.com.br , SP

Voltar »

0 comentários